Conheça Goiânia

Visite e Conheça Goiânia em Perspectiva

A cidade de Goiânia é um convite à visita de paisagens acolhedoras e expressivas, tanto no que corresponde à natureza, às belezas do Cerrado, quanto aos elementos culturais, folclóricos e históricos.
Goiânia é uma cidade de 82 anos de fundação. Ela consiste em uma importante capital planejada, ao lado de Brasília, Belo Horizonte e Palmas. Neste espaço você terá o contato com as tradições goianas, como, por exemplo, a culinária marcada por cores e temperos marcantes, tais como os pratos com pequi, açafrão, pamonha, empadão goiano, dentre tantos outros.
Especialmente, outubro é o mês de aniversário da cidade, época em que se intensificam comemorações de sua criação e o lançamento da pedra fundamental em 1933. Além dessa comemoração cívica, a cidade, também ao longo do ano, celebra festejos tradicionais do estado, tais como as congadas, as festas juninas, entre outras.
Cravada no Cerrado goiano, a capital do estado, hoje com aproximadamente 1,3 milhão de habitantes, foi erguida em terreno suave ondulado, de baixas declividades, em até 8%, predominantemente. É cortada quase na direção leste-oeste pelo rio Meia Ponte, com solos, em sua maior parte, profundos e altamente intemperizados, sobre os quais se desenvolveu vegetação tipo Cerrado sensu strictu, na porção sul, e do tipo Cerradão, na porção norte. No que diz respeito às características climáticas, Goiânia apresenta variação do clima comandada por forte sazonalidade, típica de regiões tropicais, influenciada pela continentalidade. Ao longo do ano, são elevadas as temperaturas, com verão chuvoso e inverno seco. O período considerado mais quente e de baixos índices de umidade relativa do ar corresponde aos meses de agosto, de setembro e de outubro. No que corresponde aos elementos culturais da paisagem, Goiânia possui um dos maiores acervos Art Déco do país, que, de acordo com Rubem Santos (2014), constitui- se em patrimônio tombado a partir de 2003 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Unes (2001) apresenta-nos que a monumentalidade desse estilo, desenvolvido em Goiânia, está na interação entre a intenção arquitetônica, ou seja, no conjunto de edifícios que detém esses traços e o desenho urbano. O Art Déco advém da Exposition Internationalle des Arts Décoratifs et Industrielles Modernes de 1925, ocorrida em Paris, mas firmou-se como termo, sobretudo, após a exposição Les Années 25, realizada em 1968, também na capital francesa em celebração a esta vanguarda.
Goiânia, portanto, é uma cidade advinda dos processos de modernização e expressa uma etapa da modernidade brasileira instalada na década de 1930 no período Vargas, mas também é um lugar da tradição, do imaginário sertanejo, por excelência, como afirma o renomado historiador goiano Nasr Nagib Fayad Chaul:

“Goiânia é um pedaço de modernidade, cravado no sertão goiano. Capim em meio ao concreto, crescendo desordenadamente por entre bairros e vilas, luz neon em contraste com o entardecer do interior de Goiás, essa Capital planejada se mistura com a própria história dos anos 30 da história desse Estado... A cidade nasceu para ser Capital. Sem infância histórica e adolescência interior, está madura demais para tão pouco tempo de criação. Hoje, ela tornou-se um interior cosmopolita, de mundos interligados por internets de histórias, sem perder as tradições culturais que a geraram... Goiânia tem útero macunaímico, formação geral entre o urbano e o rural, Art déco, berrante ampliado em múltiplos tons. Goiânia já não cabe em si. Nasceu para ser plural."

É nessa emblemática cidade do Cerrado brasileiro que nos reuniremos para a décima segunda edição do Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica, com o objetivo de discutirmos, também, filho da modernidade, os problemas relacionados às questões climáticas, as variabilidades, as susceptibilidades e implicações ecossistêmicas e sociais.

Texto produzido por
Gislaine Cristina Luiz e Valéria Cristina Pereira da Silva

Referências:

CHAUL, Nasr Nagib Fayad. Goiânia: a capital do sertão. In: UFG, Revista UFG, Ano XI, nº 6, Goiânia: 2009, pp. 100-110. Acessado em 17 de abril de 2016.
Disponível em: http://www.proec.ufg.br/revista_ufg/junho2009/goiania.pdf

SANTOS, Rubens. Raridades no Coração do Brasil In: IPEA (Brasil), Desafios do Desenvolvimento, Ano 10, nº79, Brasília: 2014, pp. 88-91 Acessado em 17 de abril de 2016. Disponivel em:  http://www.ipea.gov.br/desafios/index.php?option=com_content&view=article&id=3019:catid= 28&Itemid=23

UNES, Wolney. Identidade Art Déco de Goiânia. São Paulo: Ateliê Editorial/Goiânia: UFG, 2001